Estudantes reativam movimento que pede implantação de faixa elevada em frente ao IFTO

Atualizado: 28 de jul. de 2020


Prefeitura concluiu licitação para obras em abril e ainda faz estudo de engenharia da viabilidade da obra, sem data para ser lançada; vencedora é EHL que irá fazer 60 lombo faixas e 125 lombadas por R$ 1 .072 milhão


Desde maio o Diretório Central dos Estudantes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (DCE/IFTO) lançou uma campanha virtual nas redes sociais que se junta a outras iniciativas de alunos, professores e da própria instituição para cobrar a prefeita de Palmas, a construção de uma faixa elevada - lombofaixa – na LO-05 em frente ao instituto.


Francisco Alisson Saraiva Vargas, presidente do grêmio estudantil, explica a importância da obra. “O trânsito ali é intenso, principalmente na hora do rush, justamente quando os estudantes estão chegando ou indo embora. Muitos motoristas não têm respeito nenhum, ignoram a presença dos estudantes na faixa ou passam em alta velocidade”, reclama.


Segundo ele, a situação é pior durante o período chuvoso. “Na temporada de chuvas o problema é maior. A faixa 􀂆ca só a poça de água, chega a bater na canela. Alunos que precisam transitar entre os lados do ponto de ônibus sofrem bastante”.


A demanda se arrasta há pelo menos dois anos e ainda não tem data para acabar. Mas ao menos a prefeitura já concluiu a licitação iniciada em 2019, pela Secretaria Municipal de Segurança e Mobilidade Urbana, que escolheu a empresa EHL (Eletro Hidro), pelo valor de R$ 1.072 milhão. A empresa irá construir faixas elevadas e ondulações transversais, com sinalização horizontal e vertical, e piso tátil.


A lombafaixa do IFTO faz parte de um pacote com 20 faixas elevadas de concreto armado, 40 faixas elev